Dinamarca também declara o fim da emergência

Karina Michelin

Karina Michelin

Em Nova York no dia 24 de janeiro de 2022, o juiz do Supremo Tribunal do Condado de Nassau , Tomas Rademaker, rejeitou a obrigação do uso de máscara ao ar livre e nas escolas, imposta pela governadora Kathy Hochul  e pelo comissário da saúde do Estado de Nova Iorque. 

Segundo o juiz, o governo do estado não tem autoridade para impôr tal obrigação sem o sinal verde dos deputados.  “Para ser claro”, lê-se a motivação, “este Tribunal não pretende de forma alguma questionar esta decisão ou em qualquer caso opinar sobre a eficácia, necessidade ou obrigação de uma máscara como meio ou ferramenta para lidar com o vírus Covid-19 “.O  juiz julgou “se a norma em questão foi promulgada corretamente  e, em caso afirmativo, se pode ser aplicada”. A Resposta é: não. Por isso, “ se os parlamentares do estado, que representam e foram votados  pelos cidadãos de Nova York, após debate aberto ao público,  decidir promulgar leis exigindo proteção facial em escolas e outros locais públicos, o comissário certamente teria um bom embasamento nas normas corretamente promulgadas e emitido para complementar essas leis” – escreveu Rademaker considerando o mandado de uso de máscara em Nova York “inconstitucional” e o declarou “nulo, vazio e inexequível”.

Mas o governadora do partido democrático e seus aliados não estão de acordo. Kathy Hochul disse estar “fortemente” em desacordo com esta sentença: “ A minha responsabilidade como governadora é a de proteger os nova-iorquinos nesta difícil situação de saúde pública, e esta medida ajuda a prevenir a difusão do Covid-19 e a “salvar vidas”.

E assim seu executivo decidiu contestar a sentença. As escolas “ devem continuar a seguir a regra do uso de máscara” , lê-se em  uma nota enviada pelo departamento de educação às instituições e publicada pela emissora CNN. A Secretaria de Saúde vai recorrer, “o que resultará em uma suspensão automática que restabelecerá inequivocamente a regra da máscara até que um tribunal de apelação emita uma nova sentençalê-se  no documento. 

Nas últimas semanas, o chefe do condado de Nassau, Bruce Blakeman, assinou uma ordem executiva que dava aos conselhos escolares do condado de Long Island o poder de decidir se os alunos deveriam ou não usar máscaras na escola. Após a decisão do juiz Rademaker, Bruce Blakeman twittou: “Esta é uma importante vitória para os alunos e pais”.

Mas é também a vitória do Partido Republicano, que de fato comemorou o debate.

Na Grã-Bretanha, o primeiro Ministro Boris Johnson anunciou que praticamente não haveria mais restrições e a Espanha, depois de ter rejeitado a introdução do passaporte de vacinação , também começou a classificar a Covid como uma gripe normal. 

Na França, onde Macron tem as eleições à dois passos, decidiu também flexibilizar várias medidas anti-Covid.

Esta semana a Dinamarca entrou no time dos que pensam exatamente como os ibéricos e os britânicos e decidiu que: O passaporte de vacinação não será mais necessário.

Apesar de inúmeras infecções, em Copenhague foi determinado acabar com as restrições. Nas próximas horas, espera-se que a primeira-ministra dinamarquesa Mette Frederiksen anuncie a retirada das medidas anti-Covid. Em uma carta endereçada aos parlamentares, o ministro da Saúde, Magnus Heunicke, já anunciou que não haverá mais a obrigatoriedade do uso de máscara e que o setor de alimentação não terá mais que cumprir horário reduzido. Consequentemente, deixa de ser necessário o «coronapass» (equivalente ao nosso passaporte de vacinação ) bem como, em caso de teste positivo também haverá uma redução do período de isolamento, que não deve ultrapassar quatro dias.

As razões para a decisão do governo dinamarquês foram ilustradas pelo próprio ministro da Saúde: a taxa de vacinação na Dinamarca é muito alta e o Comitê Técnico Cientifico de Copenhague decidiu que a Covid “não é mais uma doença socialmente crítica”. Mesmo na nação escandinava, de fato, a variante Omicron é altamente contagiosa, mas o aumento de infecções não correspondeu a nenhum aumento de mortes. Ou seja, na Dinamarca, o governo e os especialistas estabeleceram que a emergência acabou e que, portanto, não faz sentido estender as restrições à liberdade dos cidadãos. 

Hoje também a Áustria removeu o lockdown para os não vacinados e provavelmente o próximo passo será também retirar a obrigatoriedade da vacina. O círculo está se fechando para o sistema ditatorial globalista do clube de Davos, os governos e políticos tiranos que se aproveitaram para impôr medidas liberticidas ao povo, terão que começar a mudar a tática para salvar a própria pele.

Atenção ditadores, tomem nota:

O povo não está com vocês e não terão piedade!

Gostou do conteúdo? Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *