DENÚNCIA BOMBA: Testes da Vacina Pfizer incluem falsificação de dados, atraso na notificação de eventos adversos, risco de biossegurança e o pior – controle zero

Karina Michelin

Karina Michelin

A revista científica britânica British Medical Journal fundada em 1840, publicou um artigo dia 2 de novembro de 2021, escrito pelo jornalista investigativo Paul Thacker, que despertou ainda mais dúvidas e desconfianças de como as empresas farmacêuticas vêm agindo nesta pandemia. 

As revelações foram feitas por uma ex funcionária do laboratório Ventavia, empresa contratada pela Pfizer com sede no Texas, Estados Unidos, para realizar o principal ensaio clínico da vacina para o COVID-19.

A diretora regional Brook Jackson, enviou uma queixa à Food and Drug Administration (FDA) para relatar as más condutas dentro da empresa Ventavia, contratada para realizar testes cruciais de vacinas Pfizer para Covid-19. 

A Ventavia se autodenomina a maior empresa privada de pesquisas clínicas do Texas, e tem uma vasta lista de prêmios recebidos por seus trabalhos contratuais. Mas, pela denúncia de sua ex-funcionária Brook, o prêmio de qualidade e ética  na organização de pesquisa para a vacina Pfizer Covid-19, eles não irão receber pelo menos é o que esperamos. 

As denúncias feita por Brook através de um e-mail enviado à FDA são graves, e nos traz a convicção que algo está errado. Como já suspeitávamos. 

Em seu e-mail enviado na manhã de 25 de setembro à FDA, Brook Jackson relatou que Ventavia havia inscrito mais de 1000 participantes em três sites. O teste completo (registrado sob nct 04368728) inscreveu cerca de 44.000 participantes em 153 locais que incluíram inúmeras empresas comerciais e centros acadêmicos. Ela então listou uma dúzia de preocupações que tinha testemunhado, incluindo:

  • Participantes colocados em um corredor após injeção e não sendo monitorados pelo corpo clínico 
  • Falta de acompanhamento oportuno de pacientes que sofreram eventos adversos 
  • Desvios de protocolo não sendo relatados 
  • Vacinas não sendo armazenadas a temperaturas adequadas 
  • Amostras de laboratório mal rotulados, e Direcionamento da equipe da Ventavia para relatar esses tipos de problemas.

Em poucas horas, Brook recebeu um e-mail da FDA agradecendo-lhe por suas preocupações e notificando-a de que a FDA não poderia comentar qualquer investigação que pudesse resultar, e foi demitida na mesma tarde do dia 25 de setembro, com a alegação que ela não se ajustava a empresa. Dias depois, Brook recebeu uma ligação de um inspetor da FDA para discutir seu relatório, mas foi informada de que nenhuma informação adicional poderia ser fornecida, à partir deste momento ela não teve mais noticiais de seu relatório. 

As graves acusações foram documentadas através de fotos, e-mails trocados entre Ventavia, FDA, ICON e outras associações e gravações de conversas comprometedoras entre os dirigentes dos centros de pesquisas. Ventavia  falsificou dados, efetivou a perda de cegamento para pelo menos 1000 pacientes ( violando a regra do anonimato), empregou pessoas que não foram  treinadas adequadamente para os testes clínicos de vacinação, não acompanhou a tempo os eventos adversos relatados GRAVES por pacientes no teste da fase III da Pfizer, além de ter colocado em risco de biossegurança todos os envolvidos – confirmado através das fotos feitas por Brook em seu celular. Os funcionários que realizaram verificações de controle de qualidade ficaram sobrecarregados com o volume de problemas que estavam encontrando e segundo uma funcionária os dados gerados pela Ventavia para o teste da Pfizer. “É uma verdadeira bagunça.”

No meio de tantas denúncias, os órgãos reguladores de medicamentos continuam aprovando estas vacinas para serem aplicadas em massa na população mundial, e agora em crianças, colocando em risco todos que se submetem as inoculações:  Uma verdadeira roleta russa. 

Todas as autoridades governativas, empresariais e científica  devem fazer uma reflexão com a máxima transparência sobre os episódios mortais que estamos assistindo durante esta pandemia. Não é só um dever público, mas sim uma questão de ética e responsabilidade com vidas humanas, que devem ser aplicados em um futuro bem próximo. 

Fica cada dia mais difícil conquistar a confiança dos cidadãos diante de tanta mentira e manipulações, o povo se sente enganado em escala global e através destes fatos se torna cada vez mais legítima a decisão de não acatar as imposições dos “deuses competentes” da ciência governativa. Ninguém quer colocar suas vidas em risco,  já entendemos que estamos a mercê de uma total incompetência obscura capaz de levar à todos para o matadouro sem nenhuma piedade. 

Gostou do conteúdo? Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

15 comentários em “DENÚNCIA BOMBA: Testes da Vacina Pfizer incluem falsificação de dados, atraso na notificação de eventos adversos, risco de biossegurança e o pior – controle zero”

  1. Júlio Cézar Nafaline

    O que tem por traz dessas vacinas, porque essa obrigação de tomar esse negócio,
    Porque tanta insistência.
    Quando que os governos estiveram interessados na saída do povo?
    Acho que essas vacinas são um genocídio branco,

    1. É como se hoje, axistisse apenas essa doença no mundo. E quem não confia nessa vacina fosse negacionista e bitolado. Não se pode mais pensar!

      1. Eu sou bitolada. Minha empresa me colocou em férias, para me afastar dos vacinados. Tive que consultar com um psiquiatra da empresa. Ele me receitou um remédio ansiolítico e um outro remédio para dormir, embora eu tenha sono tranquilo e durmo bem na hora que eu quiser.

    2. Estamos diante da maior farsa médica da história da humanidade. Estão no impondo um holocausto sem precedentes. Hitler no inferno deve estar morrendo de inveja por não ter tido essa brilhante ideia. Nossos inimigos declarados hoje são: Os políticos corruptos (99%) O judiciário cego e ineficiente e toda a grande mídia global!

          1. Fui demitida provavelmente porque não quis tomar a vacina ,não tinham motivos para minha demissão, foi muito inesperado ,certeza que foi isso .

        1. Temo que daqui alguns anos não muito distante, essas vacinas tragam às nações seríssimas consequências, senão não estariam com tanta veemência na obrigatoriedade delas. Algo muito estranho tem por trás de tudo isso. Os ministros da corte são os principais suspeitos desse massacre. Eles apoiam a nova ordem mundial. Não haverá mudanças , apenas matança. Essa é a minha opinião.

        2. Tenho 65 anos, sou diabética, só uso máscara nos lugares obrigatórios e ao sair logo retro, nunca deixei de ir e vir, conforme meu direito. A minha prevenção eu sempre fiz com invermectina, vitaminas C,D e K e muita fé em Deus. Vacinas, não tomei e nem tomarei. Deus está no comando. Eu creio!

        3. Tenho 64 anos.
          Tive COVID em Nov 2020 com sintomas leves e tratamento precoce.
          Desde então faço uso regular e moderado de Ivermectina, com vitamina D, Zinco, e exercícios diários no sol, sempre q possível.
          Não pretendo me vacinar.

        4. Pingback: Albert Bourla CEO da Pfizer chama de “criminosos” aqueles que trazem “desinformação” sobre o seu produto – Karina Michelin

        5. Pingback: A Food and Drugs Administration (FDA) exige que os dados da vacina Pfizer sejam mantidos em sigilo até 2076. – Karina Michelin

        6. Pingback: Bill Gates quer bilhões dos governos para fundo de "prevenção da pandemia" - Stylo Urbano

        7. Pingback: TV indiana expõe como a Pfizer intimida e chantageia os países por "vacinas" do COVID - Stylo Urbano

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *