Todas as vacinas contra a COVID-19 autorizadas no Brasil pela ANVISA são ainda medicamentos EXPERIMENTAIS: e assim permanecerão até que a fase 3 seja concluída

Karina Michelin

Karina Michelin

As vacinas que conseguiram obter o registro definitivo na ANVISA até a presente data - Pfizer e AstraZeneca- deixaram de ser "Medicamentos experimentais" apenas em decorrência do registro, uma vez que ainda estão sendo submetidas à Fase III dos respectivos estudos científicos.  

Diante de tantas incoerências durante esses vinte meses de pandemia, onde tantas vidas foram perdidas e colocadas em risco é importante trazer informações e questionamentos que tutelem a vida do cidadão, da criança e do adolescente.

Inicialmente, desejo deixar claro que não defendo qualquer movimento antivacina, sou favorável à aplicação de todas as vacinas que se encontram relacionadas no calendário de vacinação do Ministério da Saúde até o ano de 2020, especialmente as vacinas infantis, tão importantes para a erradicação de doenças como a poliomielite.

Faz-se necessário ressaltar que, apenas com os resultados das fases I e II, os fabricantes já puderam detectar inúmeros riscos para os usuários, tendo sido destacadas nas respectivas bulas as inúmeras contra-indicações dessas vacinas em caráter experimental contra a COVID-19.

Portanto , ao contrário do que tem sido propagado pela mídia, inclusive sob orientação equivocada de secretários da saúde e “especialistas” em geral, não é verdade que os pacientes devam tomar qualquer vacina que esteja sendo aplicada no momento nos postos de vacinação. Esse tem sido um grande erro na condução das políticas de saúde, e que tem destroçado famílias em razão dos óbitos de entes queridos que, sob nenhuma hipótese, poderiam ter tomado a vacina que lhe foi ofertada no momento, mas que sequer foram informados do caráter experimental das mesmas e da existência de contra-indicação, na bula, para o seu caso.

Esse grande erro somente não será maior do que a imposição obrigatória de vacinas em caráter experimental, o que viola a dignidade humana e representa a derrubada de normas internacionais de proteção aos direitos humanos que foram construídas observando atrocidades cometidas em um passado recente da nossa civilização.

As vacinas contra a COVID-19 atualmente aplicadas pelo SUS apresentam diversas contraindicações, inexistindo certeza sobre a totalidade dos fatores de riscos existentes, uma vez que a fase III dos testes sequer foi encerrada e, é essa fase que define a extensão e a gravidade das reações adversas. Inclusive algumas bulas das vacinas experimentais falham ao indicar que determinados efeitos fatais podem ser “raros” ou “raríssimos”, uma vez que seus estudos ainda estão na fase III e ainda não houve tempo nem coleta de dados suficientes para determinar a real proporção de incidência desses efeitos.

Somando-se isso ao fato de se tratarem de vacinas experimentais, as pessoas devem ter o direito de escolher se aceitam ou não participar do experimento. É legítimo o direito da pessoa de ter medo de morrer de COVID-19, mas é igualmente legítimo o direito de quem tem medo de morrer em razão de algum efeito colateral grave das vacinas aprovadas em caráter experimental.

Gostou do conteúdo? Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

11 comentários em “Todas as vacinas contra a COVID-19 autorizadas no Brasil pela ANVISA são ainda medicamentos EXPERIMENTAIS: e assim permanecerão até que a fase 3 seja concluída”

  1. Karina, teus conteúdos, São excelentes.

    Penso que não poderemos ficar nesta “batalha” sem fim, em relação a vacina para a criatura xinesa.

    O poder consensual já deliberou q irão injetar em todos os cidadãos. Quem estiver fora da “bolha” dos injetados terá inúmeros problemas. E isso, estende-se a nossos filhos. Não poderemos suportar por muito tempo sermos caçados pelo sistema, pelas instituições políticas, e pelas empresas q exigirão o ser injetado. Alguns poucos terão condições de resistir até a morte, ou até o fim desta loucura, mas é provável que, exceto se algo muito poderoso ocorrer nos próximos dias/semanas, muitos sucumbirão a picada politicamente correta.

    Por isso, pergunto: Dentro do sistema, há alguma luz em relação a uma picada para xaina-virus que seja mais segura? Seja a atualização de alguma das atuais plantas produtivas, seja uma nova em estudo?

    Ou, alguma luz de que haverá rollback da panacéia pandemica?

      1. Katia Ribeiro dos Santos

        Conheço muita gente ligada aos globalistas que posou de “vacinado” e ficou bem na foto com agulha retrátil. Quanto a obrigar a todos, não conseguirão e é muita gente embora a maioria tenha se vacinado.

      2. Odair Pimentel Martins

        Além de experimentais, está provado que não cortam a transmissão, pois não estimulam IgA, ou anticorpos de mucosa. Sem esta barreira, o vírus se multiplica na mesma intensidade nos vacinados que estão temporariamente protegidos do agravamento. Ocorre quem tem a doença tem uma imunidade 6xs mais forte do que um vacinado, segundo estudos no UK. Segundo a verdadeira ciência, a vacina correta seria uma de instilacão nasal, que seria capaz de cortar a transmissão. Essa metodologia é usada na medicina veterinária para controle de doenças das aves como a New Castle. Há várias pesquisas de aplicação desta técnica na Covid, inclusive uma desenvolvida por um professor da USP. Mas parece que o interesse não é parar a pandemia e sim o controle social

    1. Ninguém fala das doenças emocionais daqueles que não querem tomar a vacina por medo, pânico e parece que não existe nenhuma entidade que esteja defendendo essas pessoas.

    2. Karina e quem vai conseguir parar essa histeria? Já estão a todo vapor fazendo restrições, até mesmo em estabelecimentos de saúde, educação e alimentação.

    3. Katia Ribeiro dos Santos

      Aqui na comunidade, 30 homens, a maioria velhos, que costumam sair pelo menos duas vezes na semana à rua para afazeres. Nenhum se vacinou e três pegaram COVID. Não foram isolados, ficaram bem apenas assoando o nariz, pegaram a alfa e a delta. Somente um, que pegou pela terceira vez, teve febre de 37,6° na última vez. A febre surgiu no terceiro dia, antes somente coriza. Ao surgir a febre, à noite, tomou uma dose completa de ivermectina e uma pastilha solúvel de zinco. No dia seguinte nada de febre. A febre não voltou e a coriza se foi. Portanto, quem se vacina está teleguiado como robot para o extermínio total, porque essas vacinas matam a curto, médio e longo prazos. Terá gente que não se vacinará e sobreviverá, apesar do “gargalo dos globalistas”.

    4. Disseram que se vc tomou e lemos ref toxinas nelas existentes vc deve tomar Clorela ou Carvão ativo, tem um.pu jeito tbem chamado Pinheiro branco fazer chá das folhas. Agora informe sobre cada um por favor. Temos q ter nossa liberdade garantida. Vacina numa correria dessa só pode ser experimento.ao meu ver.. se vc se cuidar tiver seu sistema iminogico no equilíbrio.sua saude sera outra cuide se, falando nisso quer conhecer um suplemento que leva inteligência, informação equilíbrio e lembrança para as células no Sistema Imunológico ?? Inova empresa patenteada até 2040 e liberado no Brasil quer conhecer? Fale comigo. Imunidade equilibrada é td. Gratidão Silvia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *