Macron é reeleito com 58,55% dos votos

Karina Michelin

Karina Michelin

Resumo 1° e 2° Turno das Eleições na França

No primeiro turno cerca de 74% dos franceses foram as urnas, no domingo 14 de abril, para votar no futuro  presidente da França, 26,31% se abstiveram, quase superando o recorde de 2002 que foi de 28,4%. 

Dos 5 candiados que mais receberam votos, 3 são de direita: 

Marine Le Pen 23,41% ; 

Eric Zemmour 7,05%; 

Valérie Pécresse 4,79%; 

Emmanuel Macron de centro, 27,6%

Jean-Luc Mélenchon de esquerda 21,95%.

A corrida neste último domingo, 24 de abril, foi para conquistar principalmente os eleitores de Jean-Luc Mélenchon de esquerda radical que obteve pouco mais de 7 milhões e 700 mil votos e apareceu logo  abaixo da candidata de direita Marine Le Pen

Uma reviravolta nos resultados mostram o quão cansado está o povo francês, no início da  campanha eleitoral, Valérie Pécresse de um partido de direita aparecia em segundo lugar,  logo atrás do atual presidente Emmanuel Macron, mas acabou recebendo apenas 4,79% dos  votos (1 milhão 658 mil 376 votos) terminando em 5° lugar na corrida eleitoral, muitos  eleitores ficaram chocados por ela ter apoiado Macron durante seu discurso nesse domingo, dizendo que Le Pen é uma extremista. 

Eric Zemmour que também é considerado de “extrema direita” por ser patriota, e defender  os valores do país antes da União Europeia, terminou a frente de Valérie, com quase 2  milhões e quinhentos mil votos e convidou seus eleitores a votarem na candidata Marine Le  Pen

A candidata de direita ganhou muito destaque principalmente na pauta sobre imigração, a  qual a França recebeu mais de 2 milhões de imigrantes nos últimos anos, já Macron teve  destaque na área economica, a pauta que mais preocupa o povo francês no momento é a econômica: a  França vê seu poder de comprar diminuir ainda mais devido as consequências da alta dos  preços, principalmente depois que a guerra na Ucrânia começou. 

Um 2° turno com dois vencedores 

Apesar de Marine Le Pen do partido Rassemblement National não ter ganho as eleições, a  direita nunca saiu tão forte como nessa eleição. Em 2017 quando ela concorreu o segundo turno com Macron ela recebeu apenas 33,90% dos votos, desta vez ela fechou o segundo turno com 41,2%.

Infelizmente, a desinformação causada pela mídia que a classifica como sendo de extrema  direita, teve um papel decisivo para a reeleição de Macron. 

O desfile de vitória de Macron 

Logo depois do anúncio do vencedor da eleição, Emmanuel Macron do partido La  République en Marche, se dirigiu para o centro de Paris próximo a Torre Eiffel, principal símbolo  da França e da Europa – durante seu desfile até o palco a música escolhida foi mais vez a  canção “Ode à la Joie”, (assim como ele fez em 2017) canção que representa a União  Européia, colocando claramente os interesses da União Européia frente aos interesses do  seu próprio país, sendo muito elogiado pelos globalistas.

Ao seu lado estava sua esposa, Brigitte Macron e crianças que representavam a diversidade racial e  cultural da França, somente depois de seu discurso o hino francês – La  Marseillaise foi cantado.

Durante o seu discurso, Macron deixou claro que os próximos anos não serão nada fáceis, e  que ele sabe que muitos dos votos que recebeu foi para evitar que a “extrema” direita  entrasse no poder. 

Mesmo tendo ganho as eleições, uma nova batalha está prestes a acontecer, Marine Le Pen  convidou todos os franceses a se unirem para votorarem no maior número de deputados patriotas possíveis para as eleições que acontecerão neste ano (12 de de junho) freando e  limitando o poder de Macron, para dificultar suas tomadas de decisões.

Com o cenário de guerra, a diminuição do poder de compra dos franceses somados com uma melhor estratégia econômica do seu partido, foram fundamentais para que Macron ganhasse essas eleições. 

Na França existe uma lei onde o presidente só pode ter dois mandatos consecutivos, dessa forma, ainda existe uma esperança para os franceses mudarem o rumo do país nas próximas eleições.

POR: LUCCAS LIMA

correspondente internacional na França

Gostou do conteúdo? Compartilhe:

4 comentários em “Macron é reeleito com 58,55% dos votos”

  1. Muitos atribuem a frase: “quem conta é quem conta os votos” a ditadores comunas, entretanto essa frase é de democrates, o pai da democracia!
    Lembro no RJ, quando havia saturnino braga, moreira franco e gabeira para governador, e quem levou foi moreira franco. Naquela votação a imensa maioria dos testemunhas do escrutínio alegaram que os votos de gabeira foram para moreira pela “facilidade” de se trocar os nomes, visto que na época, era no grito que os escrutinadores liam o voto para ser contabilizado!
    Em qualquer votação o risco de fraude é maior do que o de lisura no pleito, pois existe sempre a escolha viciada dos escrutinadores, e lembro bem que alguns amigos meus já foram escrutinadores.
    Não existe possibilidade de decência em votação democrática, pois não existe decência no povo!
    O povo é uma salada de toda sorte de párias e delegar a tais o destino de uma nação é no mínimo estúpido, e evidentemente qualquer governante sabe disso, ou deveria saber.
    Dessa forma quem detem o poder econômico resolveu instituir essa tolice, de forma que todo o povo se tornasse soldados dos donos do jogo.

    Só para facilitar o entendimento: o décimo terceiro salário sempre foi um blefe, e a razão é simples.
    Se multiplicarmos 4 semanas por doze, teremos 48 semanas, mas o ano tem 52 semanas, logo é evidente que foi garfado 4 semanas do trabalhador na hora que se instituiu o pagamento de salário mensal!
    Antes o salário éra pago diariamente ou semanalmente, o que era o mais comum, mas graças a cretinisses como direitos de trabalhadores, sindicatos, etc. se instituiu salario mensal para facilitar a vigilância, e na mesma toada se garantia mais uma garfada com a inflação, pois patrões salafros aplicavam o dinheiro do trabalhador.
    Daí, um político safado passou como paladino do povo ao “lutar” nas casas legislativa pelo décimo terceiro salário que nada mais era do que a devolução das quatro semanas garfadas pelo pagamento mensal!
    O “nobre político foi Aarão Steinbruch, que não precisamos dizer de que famíglia é, a mesma que se apropriou da Vale do Rio Doce graças ao dejeto fhc, se apropriou pelo valor de uma semana de produção da empresa, e com emprestimo do BNDES que NUNCA foi pago e vendeu muito caro para o capital alienígena!

    Outra curiosa fenomenologia política que até hoje é obnubilada e entendida errada pelo povo néscio, sem cultura, sem estudo, hedonista e preguiçoso.
    A abolição da escravatura>
    A abolição se deu em uma época histórica em que as empresas estavam demolindo o trabalho artesanal, e para isso precisavam de público pagante, os vulgos consumidores.
    Escravos não ganhavam dinheiro, mas tinham saúde excelente, e tanto é fato, que eram escolhidos pelos dentes (hoje a população negra mesmo sendo pobre tem a dentição bela, graças à seleção artificial feita pelos senhores de engenho e fazendas de café), e comiam do melhor embora não pratos caros, o que alias lhes garantiam mais aúde que a cambada abastadaque se perdia no frivolismo patangruélico! Tinham moradia de graça, e periodos de trabalho moderados, e a razão é banal, ESCRAVOS CUSTAVAM MUITO DINHEIRO, e só idiotas acreditam que alguém ia pagar caro por uma “mercadoria” para destruí-la, logo eram bem tratados, embora cativos. Punições existiam, mas relativas, pois não se dilapida patrimônio.
    A princesa Isabel era jovem, influenciada pela cambada imunda do iluminismo, da massonaria, da escumalhja usurária de banqueiros ( o maior credor do Brasil na época era, pasmem, o clã rotschield!
    E sob essa má influência resolveu na ausencia de seu pai fazer besteira, e fez igual imbecis libertários fazem com passarinhos engaiolados já nascidos nas gaiolas, soltou a cambada, e como passarinhos, os negros começaram a morrer assim como morrem passarinhos soltos em ambiente desconhecido, não sabem o que comer e como procurar a comida!
    Daí, esse negros voltavam para seus “Donos, agora como empregados, ganhando pouco para se garantirem, e consequentemente se tornando massas párias sociais, e pior, ávidos para consumir o que as industrias ofertavam.
    Estava armada a agenda do caos social!
    E nesse jogo, os donos do tráfico que já sabedores da agenda, pois a agenda sempre foi deles (os judeus sempre controlaram o tráfico de gente, até hoje é assim), que agora endinheirados pelo tráfico abriram bancos e endividaram o pobre e o rico que não entendia a agenda do juros compostos.
    E claro, a mérdia, a imunda mérdia que também pertence ao mesmo “povo escolhido” alardeou a Princesa e seu gesto estabanado como nobre!
    estava armado para a queda da monarquia, mas isso já é outra história.
    O fato coincidênte em ambas histórias é que os protagonistas são sempre os escolhidos de deus, tanto o esperteleco do decimo terceiro salário e seus descendentes que tomaram a Vale na mão grande, como o fhc (marrano) e claro, os traficantes de escravos e os banqueiros e industriais e eles, os badalados massons!

    E ainda hoje existem pessoas descerebradas que acreditam em demo cracia, o regime do demônio, quando tudo é nivelado por baixo, e claro, se é nivelado por baixo, fica patente que o que existe é engodo, pois néscios não conseguem perceber as nuances das governanças!

    Assim, deixo para os poucos que entenderam as historietas para que analisem se existe possibilidade de lisura no pleito.

    Aos que perguntarão: mas como foi que Bolsonaro emplacou? A resposta é simples, a massa é perigosa, é bestial, e como a pressão estava bem alta, havia necessidade de alivio da panela de pressão.
    Quando essa cambada quer matar, não usam facas nas mãos de psicopatas, usam veneno, e quando a coisa está extrema, o sniper da o tom!
    A zuig migdal ou o mossad não erram, quando é para matar, eles matam!

    Agora, que eles se surpreenderam com a governança do Bolsonaro, isso eu acho que ficaram, ele surpreendeu de forma negativa para eles, e de forma positiva para o povo.
    Aguardemos os próximos lances, mas sem esquecer que o jogo é bruto, e essa cambada joga sujo, muito sujo!

    Livros para estudo, todos de Gustavo Barroso, o Judeu internacional de henry Ford, dossiê rosenthal, os protocolos dos sabios de sião e o pentateuco são ótimos começos!

      1. Caro Jeferson, não creio, isso foi laboratorio, estão testando a estupidez populacional.
        Os militares da frança já mostraram que estão conra macron, e mesmo assim o povo estúpido vai votar???
        A frança foi tomada por alienigenas estupradores, sob a pele de imigrantes, paris está destruida, e o povo vai votar?
        A hora não é mais de voto, é de guerra, é de expulsar os invasores, e de executar os traidores e não de acreditar em um estado completamente venal e corrupto para resolver as venalidades e corrupções do próprio estado!
        O mesmo está sendo armado aqui no Brasil, e mesmo se Bolsonaro vencer, todo o resto continuará aparelhado na mais absoluta venalidade, até porque é proibido demitir funcionário póblico e juiz é vitalicio, e pode apostar sem pena capital para TODOS os juizes ministros e de segunda instância para cima, não tem jeito!
        E como aqui segue a toada estúpida do “primeiro i-mundo” eles sabem certinho como vai ser aqui.
        Em menos de dois anos a amazônia será tomada, e o mais nauseante, boa parte do povo vai aprovar em nome da palhaçada ecológica.
        Alea jacta est!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *