Bayern München: O clube mais bem-sucedido da Alemanha, decidiu punir alguns jogadores do time que não foram vacinados.

Karina Michelin

Karina Michelin

Joshua Kimmich

De acordo com o tablóide alemão BILD, os jogadores não vacinados que jogam pelo Bayern não receberão o salário caso se encontrem em quarentena. Isso é possível graças a uma portaria emitida pela cidade de Munique em 1º de novembro, que afirma: “Os funcionários não têm direito a uma compensação relacionada à quarentena se esta quarentena resultar de uma condição de não vacinado.”

Os jogadores em questão seriam: Joshua Kimmich (26 anos), Serge Gnabry (26 anos),Jamal Musiala (18 anos), Eric Maxim Choupo-Moting (32 anos) e Michael  Cuisance (22 anos), todos eles chamados pela diretoria do Clube para ouvir o comunicado.

De acordo com o tablóide “Bild”, esses jogadores foram convocados na manhã de quinta-feira (18) no escritório do Bayern, onde foram informados da decisão. Os jogadores ficaram “surpresos” com a mudança do clube. Os chefes do clube, o CEO Oliver Kahn e o diretor esportivo Hasan Salihamidzic enfatizaram: Os jogadores têm o direito de não serem vacinados – mas o clube, como empregador, também tem o direito de não pagar salário no caso de quarentena. 

O jogador nacional Joshua Kimmich – conhecido por não ter sido vacinado – e o segundo jogador mais valioso da Bundesliga, perderia 384 mil euros por semana, calcula o “Bild”. Kimmich de 26 anos já teve que ser colocado em quarentena duas vezes, por ter tido contato estreito com um positivo. No entanto, não está claro por que um jogador de futebol que foi vacinado e está em quarentena recebe o salário integral, enquanto um jogador de futebol não vacinado seria cortado. Esta medida tem uma aparência punitiva  para os “fora da lei” que recusam a picada, visto que os vacinados também podem infectar, ser infectados e acabar em quarentena. 

Joshua Kimmich decidiu não se vacinar, por não possuir conhecimento dos efeitos adversos a curto e longo prazo. Efeitos que podem afetar diretamente o coração causando miocardite ou pericardite e que podem afetar a carreira de um esportista drasticamente. E, de fato, houve alguns casos que parecem confirmar esta hipótese. O mais recente é o caso do jogador argentino Sergio Aguero do Barcelona, que desenvolveu uma arritmia maligna cardíaca, depois da segunda dose da vacina, ​​seu agente continua negando sua despedida do futebol, mas seu amigo jornalista espanhol deu a noticia em primeira mão. 

Sergio Aguero

Efeitos adversos da vacina:

De junho até hoje, foi registrado um número alto e significativo de mortes “repentinas e inesperadas” no mundo do esporte: de acordo com o jornal alemão Berliner Zeitung, nos últimos 5 meses houve mais de 75 casos conhecidos de atletas que morreram ou que acusam problemas de doença cardíaca que não tinham antes; a vítima mais jovem tinha apenas 13 anos.

O mau súbito do jogador do Inter, Christian Eriksen, na Eurocopa deste ano, chamou a atenção de todo o mundo: no dia 12 de junho, o jogador dinamarquês desmaiou diante das câmeras de televisão durante a partida entre Dinamarca e Finlândia. Diagnóstico: parada cardíaca, à qual felizmente sobreviveu. Infelizmente, não foi um caso isolado.

Christian Eriksen mau subito 12 de junho 2021

O Berliner Zeitung compilou uma lista desses tristes acontecimentos tentando descobrir a razão pela qual recentemente “um número extraordinariamente grande de jogadores de futebol profissionais e amadores entraram em colapso“. A reportagem, intitulada “Staggering Heart Disease in Football“, destaca o caso do profissional do FC Barcelona Sergio Agüero: o atacante de 33 anos ficará pelo menos três meses fora de campo após ter sido substituído na partida contra o Deportivo Alavés por Problemas respiratórios.

A lista do Berliner Zeitung não é exclusiva no mundo do futebol, na verdade outros atletas profissionais sofreram recentemente problemas de saúde semelhantes, incluindo o jogador de hóquei eslovaco Boris Sádecký, de 24 anos, que morreu inesperadamente após cair no gelo durante um jogo, o fisiculturista Jake Kazmarek, de 28 anos, também morreu “inesperadamente”.

Boris Sádecký, 24 anos
Diante de todos esses acontecimentos e  incertezas, talvez seja melhor para esses jogadores do Bayer serem punidos não recebendo o salário durante a quarentena, do que pagarem com a própria saúde pelos efeitos adversos irreversíveis que podem desenvolver por uma vacina, que  ainda se encontra em fase de testes e estudos obscuros.

Gostou do conteúdo? Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

3 comentários em “Bayern München: O clube mais bem-sucedido da Alemanha, decidiu punir alguns jogadores do time que não foram vacinados.”

  1. Os jogadores em questão não devem se vacinar. Se é que se pode chamar esse suposto medicamento de vacina. Isso poderá, como nas diversas notícias divulgadas pelos alemães, comprometer as atividades esportivas deles e colocar em risco sua própria vida. A atitude do Clube demonstra comprometimento com atividades muito comprometedoras, pelo que temos informações as mais diversas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *