Eric Clapton contra o passaporte de vacinação: “Se o público for discriminado com base na vacina, cancelo o show”

Karina Michelin

Karina Michelin

O lendário guitarrista britânico Eric Clapton deixou claro que não se apresentará em nenhum local que discrimine os espectadores com base em sua adesão ou não à campanha de vacinação.

Após o anúncio da obrigatoriedade do passaporte de vacinação do primeiro-ministro Boris Johnson, na segunda-feira, 19 de julho, Eric Clapton se manifestou publicamente:

“Quero dizer a todos que nunca tocarei em nenhum palco na presença de um público discriminado - estressado -. Se não for possível a todos assistir ao show, reservo-me o direito de cancelá-lo ”.


Clapton teve uma "experiência desastrosa" com a vacina AstraZeneca, e sua história ficou conhecida no mundo inteiro.

Eric Clapton desabafou em uma carta enviada a um amigo italiano, o arquiteto e ativista anti-lockdown Robin Monotti Graziadei. Na carta enviada pelo Telegram, Clapton explica ao amigo os efeitos da vacina AstraZeneca em seu corpo:


“Tomei a primeira dose de AZ e imediatamente senti um desconforto e reações que se prolongaram por dez dias. Finalmente me recuperei e fui informado que teria que esperar doze semanas pela segunda dose. “

Cerca de seis semanas depois, foi oferecida a segunda dose que aceitei, embora com um pouco mais de consciência dos perigos da vacinação .Inútil dizer que, mais uma vez, as reacções foram desastrosas, com mãos e pés congelados, dormentes e ardentes, fora de uso por duas semanas, também temia por não poder tocar pelo resto da minha vida (sofro de neuropatia periférica e nunca deveria ter chegado perto de uma agulha). Mas a propaganda sempre disse que a vacina é segura para todos ”.


Depois deste episódio Eric Clapton se tornou um verdadeiro ativista contra o sistema. O artista britânico, assume uma posição oposta à de Bruce Springsteen, que exigirá um público totalmente vacinado para suas próximas apresentações na Broadway.

Depois da implementação do passaporte de vacinação, acaba de ser instalado na sociedade uma nova modalidade de racismo, a luta pelos negros, gays, lésbicas e trans está ficando para trás.

A nova modalidade agora é: discriminar aqueles que não foram abençoados com o soro milagroso.

Gostou do conteúdo? Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *