Brasil entre a Cruz e a Espada

Karina Michelin

Karina Michelin

Frente à guerra na Ucrânia está se tornando cada vez mais difícil para o Brasil manter a neutralidade.


Recentemente a Rússia pediu para o Brasil permanecer neutro frente às sanções econômicas, pois o Brasil é a principal potência econômica da América Latina e membro do G-20 (maiores economias do mundo), mas infelizmente o país vem sendo excluído de diversos encontros importantes que acontecem no mundo por não pertencer ao clube progressista que toma conta de vários países, principalmente na União Européia. Um exemplo disso é o encontro da cúpula do G7 que acontecerá em breve – onde o Brasil não é convidado a participar desde 2019, ano que Bolsonaro foi eleito.( aqui)

Com a guerra o Brasil se encontra mais uma vez em uma situação complicada, a Alemanha quer que o governo brasileiro exporte mísseis para os tanques alemães Leopard – segundo relatou a Veja ( aqui ).

O Brasil é o país que mais possui munições para esse tanque no mundo, o blindado de 1960 ainda é usado em larga escala no país, e os alemães recentemente decidiram enviar esses tanques de guerra para a Ucrânia – para lutarem contra as tropas russas porém, falta aos alemães a munição, vendida ao Brasil no passado.

O governo brasileiro por hora não respondeu formalmente sobre a venda do armamento – por enquanto a posição é negar a venda. Caso o Brasil aceite vender a munição, será com a condição de que os mísseis não serão repassados aos ucranianos ou a qualquer outro país, afinal o que está em jogo é a neutralidade e a relação diplomática com a Rússia. 

Estamos vendo claramente a escalada do conflito entre a Rússia e Ucrânia tomar proporções ainda maiores, países como a Suíça e Finlândia que costumavam ser neutros, já escolheram de que lado da guerra irão ficar, as negociações diplomáticas com a OTAN já começaram –  agora está claro que as pressões sobre o Brasil só irão aumentar a medida que a guerra se prolonga e se agrava. 

A munição não será enviada, em hipótese alguma, se o destino final for a Ucrânia.Eventualmente, a munição pode até ser vendida de volta para a Alemanha, desde que eles  se comprometam a não reexportá-la”, diz uma importante fonte do governo brasileiro.

POR: LUCCAS LIMA

correspondente internacional na França

Gostou do conteúdo? Compartilhe:

4 comentários em “Brasil entre a Cruz e a Espada”

  1. O que acho importante nessa questão são dois ditados populares.
    Quem com porcos anda, farelo come
    Antes só que mal acompanhado

    A europa virou uma espécie de fossa a céu aberto, o que há de mais imundo lá grassa feliz, vide a viadagem.
    Os EUA são o antro da NAMBLA, uma organização viada pedófila, que foi fundada pelo excremento (todo ser que entende buraco de fezes órgão sexual é excremento, visto que sexo é reprodução e excremento é o que nasce do “órgão sexual” ânus) judeu allen ginsberg, que também é o idealizador da bandeira baitola que rouba as cores do arco iris para emporcalhá-las e fundador do dia do orgulho viado, gaypride.
    Só isso, essa fossa dessa nambla ser permitida já nos mostra que a sociedade estadunidense está em degeneração sistêmica há muito tempo.
    Já a Russia, defende os interesses dela e combate a pedofilia, a plandemia, e toda esssa escória imunda do forum econõmico i-mundial!
    Toda a mérdia, a mais abjeta arma de degeneração/destruição social é toda pró ucrânia, pro viado viciado zelensky, pro agenda pedoviada, pro tudo o que não presta e está em união siamesa com a NATOralmente lixo!
    Não precisamos ser gênios para escolhermos o lado em que devemos lutar!

    1. “Quando você acha que as coisas parecem que melhoraram é porque algo te
      passou desapercebido.” (Primeiro teorema de Tamus Ferradus)

  2. Ainda apoio a neutralidade do governo brasileiro! Nem todos os paises europeus conseguirão – em especial a Alemanha – manter posições firmes contra a Rússia e a tendência é haver o acordo com a OTAN que já vinha sendo proposto por Putin há mais de 5 anos. E o Brasil depende de fertilizantes russos. Ou fazemos como a China, que dá um drible no embargo à Venezuela comprando em navios com o transponder desliagado ou fazendo o transbordo em alto mar.

  3. É nítido a intenção dos europeus de jogar o Brasil contra a Rússia e ao mesmo tempo desmuniciar o Brasil. Se temos essa grande quantidade de munição é porque temos tanques para utilizá-las. O Brasil não deve vender essas munições a ninguém. Estão tentando atacar a Rússia com essa munição e ao mesmo tempo enfraquecer nossas defesas. Tudo o que a UE e o desgoverno Biden querem é um Brasil com suas defesas bélicas enfraquecidas para uma tão esperada invasão desse riquíssimo território e toma-lo mudando suas fronteiras para esses abutres o devastarem e escravizar nossa população através do domínio vermelho.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *