Pular para o conteúdo

RÚSSIA: Quem matou Darya Dugina? Filha do filosófo Aleksander Dugin

Karina Michelin

Karina Michelin

Uma explosão ocorrida por volta das 21h de sábado, 20 de agosto, matou Darya Dugina, 30 anos, filha do filósofo russo Aleksandr Dugin – Para alguns ideólogo de Vladimir Putin, suas idéias eurasianas sobre o renascimento russo como um estado imperial e multinacional influenciaram especialmente a política externa do Kremlin. Para outros, sua fama seria mais no exterior do que em sua própria casa, tanto que na Rússia o definem como “marginal”, negando qualquer vínculo entre ele e Putin.

Darya Dugina esteve, no sábado à noite, no festival de tradições russas ‘Tradicja’ nos arredores de Moscou (aqui ) juntamente com o seu pai Aleksandr Dugin no qual  fez um discurso intitulado “Tradição e história“, às 18h daquela noite. Na hora de ir embora os dois deveriam entrar no carro do pai, um Land Rover, mas no último momento Dugin entrou em outro carro, separando-se assim da filha.

Quando o jipe ​​explodiu e Darya morreu, seu pai estava no carro de trás, viu toda a cena e não pode fazer absolutamente nada pela sua filha. A explosão foi tão forte na auto estrada que o carro foi literalmente destruído, assim como o corpo de Darya. Um assassinato mirado sem consequências para eventuais passantes. A tática dos dispositivos magnéticos é muito difundida, usada por muitos serviços secretos e grupos extremistas. A mídia afirmou que as câmeras de segurança não estavam funcionando há duas semanas. Coincidência ou armadilha? 

Quem iria querer a morte de Darya Dugin? Por qual motivo?

O serviço secreto russo (FSB) foi o primeiro a anunciar o culpado do assassinato de Darya Dugina ( aqui ), filha do ideólogo e propagandista Aleksandr Dugin. Segundo a “inteligência” teria sido uma cidadã ucraniana chamada, Natalya Pavlovna Vovk, que entrou na Rússia com sua filha de 12 anos em 23 de julho e fugiu para a Estônia imediatamente após a operação ter sido efetuada com sucesso.

Natalya havia alugado um apartamento no mesmo prédio de Darya Dugina para melhor “supervisioná-la”, dirigia um Mini Cooper – que ela trocou a placa três vezes – e estava agindo em nome dos serviços secretos ucranianos, provavelmente com influências ocidentais. 

No dia do crime, Natalya Vovk e sua filha Sofia Mikhailovna Shaban, nascida em 2010 também estiveram no festival da tradição e, após a explosão controlada no carro de Dugin, mãe e filha saíram da Rússia via Pskov para a Estônia.

Darya Dugin era muito ativa no campo real, era jornalista, analista geopolítica, filósofa e correspondente de guerra, era conhecida por literalmente colocar a mão na massa em investigações, uma jovem corajosa que pouco ou nada temia o que a vida lhe apresentava.

Segundo seu amigo, Sergei Alexandrov, em entrevista ao Izvestia ( aqui )no dia seguinte de sua morte disse que, Darya havia recebido recentemente ameaças muito pesadas e que  “Seus principais inimigos são representantes do lobby liberal anti-russo. E o Ocidente europeu. Tinha muita gente lá” –  disse.  

Dugin e a filha devido à  exposição mediática e à forte divulgação da ideologia neo-eurasiana, sobretudo no estrangeiro, tornaram-se alvo fácil para aqueles que não gostam das ideias que os dois liberamente e com extrema convicção divulgavam ao redor do mundo. Darya, assim como seu pai, estavam convencidos de que o resultado da guerra na Ucrânia determinaria a ordem futura do mundo e que, portanto, era muito importante sair vitorioso do conflito. Custe o que custar.

Por isso o nome dos dois membros da família Dugin estavam inseridos no site “Peacemaker” um dossiê foi publicado sobre o filósofo Alexander Dugin no site e uma página também foi dedicada à sua filha Darya. Estar na lista negra do Peacemaker pode ter sérias consequências – incluindo o risco de ser morto.

O “Peacemaker” é um site ucraniano muito conhecido por elaborar listas com fotos e dados pessoais de pessoas que são consideradas inimigos, a lista fomenta e recompensa caçadas humanas ( aqui ), nas quais aparecem os nomes daqueles que devem ser eliminados por serem contra a causa de Kiev e, portanto considerados, traidores.

O site ucraniano foi criado em agosto de 2014 por iniciativa de Anton Gerashchenko, que na época era consultor freelancer do Ministério de Assuntos Internos da Ucrânia. O site se posiciona como “uma representação na Internet do Centro de Pesquisa sobre Crimes Contra os Fundamentos da Segurança Nacional, Paz e Segurança dos Cidadãos da Ucrânia”.

Em fevereiro do ano passado, o Parlamento Europeu aprovou uma resolução sobre a Ucrânia, que pedia a proibição das atividades do site Peacemaker ( aqui ). Os eurodeputados observaram que a administração do site usa ilegalmente “dados pessoais de centenas de pessoas“.

Por sua vez Gerashchenko em uma entrevista a AL Jazeera em 2019 afirmou : “Não somos um órgão punitivo, somos um escritório de inquérito” ( aqui ) . Saber quem realmente está por trás do site é muito difícil dizer. Muitas infiltrações, muitos interesses em jogo, muitas influências do Ocidente em Kiev.

A página de Darya no Peacemaker depois do crime, foi imediatamente atualizada com a escrita em sua foto: Liquidada! Evidentemente, não era a vez de seu pai. ( aqui )

Outros fatos curiosos vieram à tona, parece que Darya estaria investigando o Bellingcat e suas ligações com os serviços secretos ocidentais. O Bellingcat se define como um grupo de jornalismo investigativo, especializado em checagem de fatos ( fact-checkers) e inteligência de código aberto ( aqui ), uma definição que diz tudo e, ao mesmo tempo, pode esconder tudo.

Muitos de seus fundos parecem vir de grupos de doadores como a Open Society Foundation de George Soros, como o próprio Eliot Higgins, fundador da Bellingcat,havia evidenciado – os clientes da Bellingcat são os próprios jornalistas, ONGs, advogados e o serviço de inteligência.

Essa afirmação vem escrita em um artigo da Foreign Policy, onde lê-se que os agentes da CIA estão envolvidos nas investigações do site ( aqui )

“Bellingcat pode dizer o que a inteligência dos EUA não pode.”

De fato, parece que Darya estava investigando exatamente isso, rastreando o financiamento do autodenominado grupo de investigação independente e ao mesmo tempo tentando provar a ligação com os serviços secretos ocidentais.

Vladimir Putin se pronunciou nesta segunda-feira, 22 de agosto, para prestar condolências à família da jornalista Darya Dugina dizendo: “Um crime vil e cruel interrompeu a vida de Darya Dugina, uma pessoa brilhante e talentosa com um verdadeiro coração russo: gentil, amoroso, compreensivo e aberto. Jornalista, cientista, filósofa, correspondente de guerra, serviu honestamente ao povo, a Pátria e  demonstrou com fatos o que significa ser patriota na Rússia.

Dugin também se pronunciou  hoje pela primeira vez depois de ver de perto a explosão que matou sua filha, com uma declaração alinhada com toda a sua propaganda acusando “o regime nazista da Ucrânia” de ter ordenado o ataque.

“Como todos sabem, após o ataque terrorista liderado pelo regime nazista ucraniano, minha filha Daria Dugin foi brutalmente morta em uma explosão em 20 de agosto ao retornar do festival “Tradição” perto de Moscou. Ela era uma linda garota ortodoxa, patriota, correspondente de guerra, especialista em canal central e filósofa. Seus discursos e relatórios eram sempre perspicazes, informados e sóbrios. Ele nunca invocou violência ou guerra.

No início ela era uma estrela em ascensão. Os inimigos da Rússia a mataram em segredo, de maneira sutil….

Mas nós, nosso povo, não podemos ser quebrados nem por golpes tão intoleráveis. Eles queriam esmagar nossa vontade com terror sangrento contra os melhores e mais vulneráveis ​​entre nós. Mas eles não terão sucesso.

Nossos corações não desejam mera vingança , o que é muito mesquinho, muito pouco russo. Só queremos nossa vitória. Minha filha colocou sua vida em seu altar. Então vença, por favor!

Queríamos que ela crescesse como uma garota inteligente e uma heroína.

Que possa inspirar os filhos de nossa Pátria ao heroísmo mesmo agora.

A despedida de Daria Dugina (Platonova), um serviço fúnebre civil, será realizada no dia 23 de agosto no Centro de Televisão de Ostankino às 10 ″.

Não se sabe a mando de quem Natalya Pavlovna Vovk teria agido antes de fugir para a Estônia. Serviço secreto ucraniano? OTAN? Talvez nunca saberemos, o fato é que todos os suspeitos e envolvidos estão à beira do precipício. 

Gostou do conteúdo? Compartilhe:

4 comentários em “RÚSSIA: Quem matou Darya Dugina? Filha do filosófo Aleksander Dugin”

  1. Chego a ver Francisco Ferdinando se manifestando!
    Isso é guerra, isso é algo que a macacada teima em tapar os olhos para não ver!
    E essa maldita guerra está entre nós, basta ver os excrementos da rede globo, AMBOS JUDEUS, sabotando o Presidente, mas a macacada acha que papo de quatro linhas da constituição é suficiente, embora a constituição seja uma cartilha comuna de hiperpoderes para estado salafro!
    O presida fala isso, mas é porque ele é presidente e NÃO PODE FALAR DIFERENTE! MAS NÓS O POVO, PODEMOS TUDO, E DECLARAR GUERRA CONTRA O ESTADO É A ATITUDE MAIS SADIA NO MOMENTO!
    As mortes aqui praticadas pelos demônios são abundantes, pois eles transformaram os mais lixos e solkdados do caos!
    Na Ucrãnia o mesmo acontecia, o crime nas patas estatais é garantia de povo submewtido e O ESTADO SABE DISSO!!!
    Líderes contra o estado são inimigos do estado, e mesmo empossados são alvos.
    SE percebe que na Russia o estado mínimo é meta, pois ficaram sob a tutela estatal judaica os destruindo por quase 100 anos! A pergunta que fica é se vamos aceitar o estado totalitário judaico, comuna, plutocrata, kakistocrata critarquico!
    Creiam, esse assassinato é uma mensagem para os bandidos: “olhem, mesmo na Russsia, cheia de poder nós conseguimos matar uma pessoa querida e atuante contra o estado judeu mundial”, esse alavancado pelos lixos do forum econômico mundial, forum judeu, só de agentes judeus contra a humanidade.
    Leiam o maldito pentateuco, está tudo lá, essa guerra foi planejada há mais de 3 mil anos!
    Leiam o que o lixo deus promete aos judeus e entendam que venerar deus é egregorizar contra a humanidade!!!!

  2. Cesar muito bom seu comentario ,como é importante a livre expressão.Querem barrar a livre expressão dissendo que tem limites mas isso é totalitarismo puro.Jamais a livre expressão tem limites ,qualquer ser humano pode dizer o que deseja,mesmo amaeaçar ,ele pode.Se alguem se sentir ameaçado deve recorrer a justiça e na justiça se resolvem as coisas.Pois quando limitam ou impedem a liberdade de expressao estão cometendo dois crimes ,o primeiro contra o ser humano que quer se expressar e o segundo pois estão encobrindo algum crime que querem impedir que venha a tona.Nunca aceitei que se falasse mal do Hitler sem realmente enteder o que aconteceu,pois nenhum ser humano persegue o outro se não houver um motivo muito forte,e a nossa sociedade ,essa maldita imprensa continua a fazer do judeu vitima e não conseguimos entender o que realmente aconteceu e com isso continuam os crimes contra a humanidade.

  3. Ronald "Ronnie" McCrea

    Off topic.

    Não caiam nessa. Contra ataquem isso. Investiguem a fundo e passem adiante se for verdade.

    Algumas pessoas estão esperando que o golpe do Monkey Pox (Varicela do macaco)funcione exatamente como o COVID (com bloqueios e mandatos de vacina para empregos e locais). Isso é um erro. O inimigo ajustou sua estratégia. Muitos serão pegos de surpresa.

    Em vez dos bloqueios e mandatos gerais que vimos durante a covid, desta vez eles rastrearão e rastrearão extensivamente; visando indivíduos e seus contatos com longas quarentenas e vacinação em “anel”. A psicologia usada será formidável e muito mais difícil de resistir. Muitos que se recusaram a obedecer na primeira rodada desistirão.

    A vacinação em “anel” significa que qualquer pessoa apanhada em seu rastreamento de contatos será detida por equipes especialmente treinadas, isoladas e pressionadas / forçadas a tomar a vacina. Em alguns países, a força será usada desde o início, mas mesmo em jurisdições onde não é legalmente obrigado a cumprir a pressão que essas equipes aplicam será extrema. As longas quarentenas adicionarão um incentivo adicional para ceder. Quando a única maneira de evitar prisão domiciliar prolongada (e eventualmente campos de quarentena) é aceitar a picada, o cumprimento pode ser alcançado sem mandatos gerais (embora possamos vê-los em algumas jurisdições).

    Esse direcionamento e isolamento de indivíduos é nefasto por várias razões. Embora os mandatos gerais e os bloqueios tendam a evocar indignação generalizada, eles sabem que as pessoas não vão às ruas em massa se não forem pessoalmente afetadas no momento. Eles pretendem pegá-lo um de cada vez, começando pelo menos resistente. É por isso que eles estão focados na comunidade gay no ato de abertura. A comunidade gay é predominantemente de esquerda. A maioria desse grupo demográfico aceitará a vacina sem hesitação, assim como a maioria das pessoas em seus círculos sociais. Isso permitirá que o inimigo resolva os problemas do sistema antes de abordar os causadores de problemas.

    Alguns de vocês podem estar se perguntando como eles serão capazes de levar essa palhaçada a tais extremos. Afinal, Monkey Pox é muito leve e dura apenas algumas semanas. No entanto, já está sendo cultivada a narrativa de que há algo incomum sobre essa cepa em particular(e aparentemente há mesmo,50 mutações). Está “se espalhando” mais rápido do que as variantes anteriores, e alguns dos sintomas são incomuns. Aqueles de vocês que estão prestando atenção sabem que esta é uma cobertura para os efeitos colaterais da vacinação contra o COVID-19. Há uma infinidade de problemas de pele auto-imunes que se parecem com varíola e, com o sistema imunológico dizimado, os vacinados estão experimentando um ressurgimento de vírus latentes(como herpes zoster,conhecido também como cobreiro,sendo um dos sintomas mais comuns). Como o diagnóstico se resume a um teste de PCR fraudulento, tudo isso pode ser atribuído ao Monkey Pox.

    Aqui é onde fica desagradável. Os efeitos colaterais de longo prazo das vacinas iniciais de COVID estão apenas começando a se revelar, e todas as causas de mortalidade entre os vacinados já estão se tornando impossíveis de esconder. O que isso significa é que, enquanto o COVID começou como uma gripe forte e terminou como um resfriado leve, Monkey Pox parecerá estar evoluindo para algo absolutamente horrível. As pessoas vão ficar doentes e continuar doentes. Outros morrerão de repente. O medo que isso gerará (e a psicose em massa resultante) fará com que você sinta falta dos bons velhos tempos do COVID.

    A escassez de alimentos e energia que estão começando ao mesmo tempo são uma parte importante da equação. O racionamento não só dará muito mais poder aos que estão no poder, como a desnutrição e o frio também enfraquecerão fisicamente a população e a tornarão mais suscetível a doenças. Apagões de eletricidade e internet tornarão muito mais difícil organizar a resistência e fornecerão cobertura para os piores abusos.

Deixe um comentário para gilberto Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *