Pular para o conteúdo

Discurso na íntegra de Vladimir Putin anunciando a operação especial militar na Ucrânia

Karina Michelin

Karina Michelin

Vladimir Putin desafiou abertamente as democracias ocidentais. Biden mexeu em um vespeiro e agora terá a guerra com a pele dos europeus

Os acontecimentos de hoje não estão relacionados com o desejo de violar os interesses da Ucrânia e do povo ucraniano.  Eles estão ligados à proteção da própria Rússia contra aqueles que fizeram a Ucrânia refém e estão tentando usá-la contra nosso país e seu povo.

Hoje, considero novamente necessário voltar aos trágicos acontecimentos ocorridos em Donbass e às questões-chave para garantir a segurança da própria Rússia.

Gostaria de começar com o que eu disse no meu discurso de 21 de fevereiro deste ano.  Estamos a falar daquilo que nos causa particular preocupação e ansiedade, daquelas ameaças fundamentais que ano após ano, passo a passo, são criadas de forma grosseira e sem cerimônias por políticos irresponsáveis ​​do Ocidente em relação ao nosso país.  Refiro-me à expansão do bloco da OTAN para o leste, aproximando sua infraestrutura militar das fronteiras russas.

Sabe-se que durante 30 anos tentamos com persistência  e paciência chegar a um acordo com os principais países da OTAN sobre os princípios de segurança igual e indivisível na Europa.  Em resposta às nossas propostas, temos sido constantemente confrontados com enganos e mentiras cínicas, agora tentativas de pressão e chantagem, enquanto a Aliança do Atlântico Norte, entretanto, apesar de todos os nossos protestos e preocupações, está em constante expansão.  A máquina militar está em movimento e, repito, está se aproximando de nossas fronteiras.

Por que tudo isso está acontecendo?  De onde vem esse jeito insolente de falar da posição de exclusividade, infalibilidade e permissividade?  De onde vem a atitude desdenhosa e desdenhosa em relação aos nossos interesses e demandas absolutamente legítimas?

A resposta é clara, tudo é claro e óbvio.  A União Soviética no final da década de  80, século passado- enfraqueceu e depois entrou em colapso total.  Todo o desenrolar dos acontecimentos então é uma boa lição para nós também hoje; mostrou de forma convincente que a paralisia do poder e da vontade é o primeiro passo para a degradação e o esquecimento completo.  Assim que perdemos a fé em nós mesmos por algum tempo, por isso, o equilíbrio de poder no mundo acabou sendo perturbado.

Isso levou ao fato de que os  tratados e acordos  antigos não estão mais em vigor.  Persuasão e exigências não ajudam.  Tudo o que não convém ao hegemon, aos que estão no poder, é declarado arcaico, obsoleto, desnecessário.  E vice-versa: tudo o que lhes parece vantajoso é apresentado como a verdade absoluta, empurrada a todo custo, grosseiramente, por todos os meios. Os dissidentes estão quebrados até os joelhos.

O que estou falando agora não diz respeito somente à Rússia e não apenas sobre nós.  Isso se aplica a todo o sistema de relações internacionais e, às vezes, até aos próprios aliados dos EUA.  Após o colapso da URSS, a redivisão do mundo e as regras de direito internacional que se desenvolveram até então começaram de fato – e as principais, básicas, foram adotadas no final da Segunda Guerra Mundial e consolidaram amplamente seus resultados – começaram a interferir com aqueles que se declararam vencedores da Guerra Fria.

É claro que, na vida prática, nas relações internacionais, nas regras para sua regulamentação, era necessário levar em consideração as mudanças na situação mundial e o próprio equilíbrio de poder.  No entanto, isso deveria ter sido feito de forma profissional, tranquila, paciente, levando em consideração e respeitando os interesses de todos os países e entendendo a nossa própria responsabilidade.  Mas não – um estado de euforia de superioridade absoluta, uma espécie de forma moderna de absolutismo, e mesmo no contexto de um baixo nível de cultura geral e arrogância daqueles que prepararam, adotaram e impulsionaram decisões que são  benéficas apenas para si mesmos.  A situação começou a se desenvolver de acordo com um cenário diferente.

Você não precisa procurar muito para obter exemplos.  Primeiro, sem nenhuma sanção do Conselho de Segurança da ONU, eles realizaram uma sangrenta operação militar contra Belgrado, usando aviões e mísseis bem no centro da Europa.  Várias semanas de bombardeio contínuo em cidades civis, em infraestrutura de suporte à vida.  Temos que lembrar esses fatos, caso contrário alguns colegas ocidentais não gostam de lembrar desses eventos e, quando falamos sobre isso, preferem apontar não para as normas do direito internacional, mas para as circunstâncias que interpretam como bem entendem.

Depois veio a vez do Iraque, Líbia, Síria.  O uso ilegítimo da força militar contra a Líbia, a perversão de todas as decisões do Conselho de Segurança da ONU sobre a questão líbia levaram à destruição completa do Estado, ao surgimento de um enorme foco de terrorismo internacional, o fato de que o país mergulhou em uma catástrofe humanitária que não parou a guerra civil por muitos anos. A tragédia, que condenou centenas de milhares, milhões de pessoas não só na Líbia, mas em toda a região, deu origem a um êxodo migratório maciço do Norte da África e do  Oriente Médio para a Europa.

Um destino semelhante foi preparado para a Síria.  A luta da coalizão ocidental no território deste país sem o consentimento do governo sírio e a sanção do Conselho de Segurança da ONU nada mais é do que agressão, intervenção.

No entanto, um lugar especial nesta série é obviamente ocupado pela invasão do Iraque, também sem qualquer fundamento legal.  Como pretexto, eles escolheram informações confiáveis ​​supostamente disponíveis aos Estados Unidos sobre a presença de armas de destruição em massa no Iraque.  Como prova disso, publicamente, na frente de todo o mundo, o secretário de Estado dos EUA sacudia uma espécie de tubo de ensaio com pó branco, assegurando a todos que esta é a arma química que estava sendo desenvolvida no Iraque.  E então descobriu-se que tudo isso era uma farsa, um blefe: não há armas químicas no Iraque.  Inacreditável e  surpreendente, mas o fato permanece.  Houve mentiras no mais alto nível estadual e no topo do pódio da ONU.  E como resultado: enormes perdas, destruição e  uma incrível onda de terrorismo.

Em geral, tem-se a impressão de que praticamente em todos os lugares, em muitas regiões do mundo, onde o Ocidente vem estabelecer sua própria ordem, o resultado são feridas sangrentas e não cicatrizadas, úlceras do terrorismo internacional e do extremismo.  Tudo o que eu disse é o flagrante, mas de forma alguma os únicos exemplos de desrespeito ao direito internacional.

Nesta série, há promessas ao nosso país de não expandir a OTAN nem uma polegada para o leste.  Repito – eles me enganaram, mas em termos populares, eles simplesmente jogaram fora.  Sim, muitas vezes você ouve que a política é um negócio sujo.  Talvez, mas não na mesma medida, não na mesma medida.  Afinal, tal comportamento de trapaça contraria não apenas os princípios das relações internacionais, mas sobretudo as normas  morais e morais geralmente reconhecidas.  Onde está a justiça e a verdade aqui?  Há apenas um monte de mentiras e hipocrisia.

Aliás, os próprios políticos, cientistas políticos e jornalistas americanos escrevem e falam sobre o fato de que  nos últimos anos um verdadeiro “império de mentiras” foi criado dentro dos Estados Unidos.  É difícil discordar disso – é verdade.  Mas não sejamos modesto: os Estados Unidos ainda é  um grande país, uma potência formadora de sistemas.  Todos os seus satélites não apenas dão um consentimento resignado e obediente, mas também cantam junto com ela por qualquer motivo, copiam seu comportamento, aceitam com entusiasmo as regras que ela propõe.  Portanto, com razão, podemos dizer com segurança que todo o chamado bloco ocidental, formado pelos Estados Unidos à sua imagem e semelhança, é o próprio “império da mentira”.

Quanto ao nosso país, após o colapso da URSS, com toda a abertura sem precedentes da nova Rússia moderna, a disponibilidade para trabalhar honestamente com os Estados Unidos e outros parceiros ocidentais e nas condições de desarmamento praticamente unilateral, eles imediatamente tentaram nos espremer, segurar e destruir-nos completamente.  Foi exatamente o que aconteceu nos anos 90, no início dos anos 2000, quando o chamado Ocidente coletivo apoiou mais ativamente o separatismo e as gangues mercenárias no sul da Rússia. Onde sacrifícios, e perdas tudo isso nos custou então, que provações tivemos que enfrentar antes de finalmente quebrar a espinha do terrorismo internacional no Cáucaso.  Lembramos disso e jamais esqueceremos.

Sim, de fato, até recentemente, as tentativas não pararam de nos usar em seus próprios interesses, para destruir nossos valores tradicionais e nos impor seus pseudo-valores que corroeriam nosso povo por dentro, essas atitudes que já estão plantando agressivamente em seus países e que levando diretamente à decadência e degeneração, porque contradizem a própria natureza do homem.  Isso não vai acontecer, ninguém nunca fez isso.  Também não vai funcionar agora.

Apesar de tudo, em dezembro de 2021, tentamos mais uma vez concordar com os Estados Unidos e seus aliados sobre os princípios de garantir a segurança na Europa e a não expansão da OTAN.  Tudo é em vão.  A posição dos EUA não muda.  Eles não consideram necessário negociar com a Rússia sobre esta questão fundamental para nós, perseguindo seus próprios objetivos, eles negligenciam nossos interesses.

E, claro, nesta situação, temos uma pergunta: o que fazer a seguir, o que esperar?  Sabemos bem pela história como na década de 1940 e início de 1941 a União Soviética tentou de todas as maneiras possíveis impedir ou pelo menos retardar a eclosão da guerra.  Para isso, entre outras coisas, ele tentou literalmente até o fim não provocar um potencial agressor, não realizou ou adiou as ações mais necessárias e óbvias para se preparar para repelir um ataque inevitável.  E aqueles passos que, no entanto, foram dados no final foram catastroficamente atrasados.

Como resultado, o país não estava pronto para enfrentar plenamente a invasão da Alemanha nazista, que atacou nossa Pátria em 22 de junho de 1941 sem declarar guerra.  O inimigo foi detido e depois esmagado, mas a um custo colossal.  Uma tentativa de apaziguar o agressor às vésperas da Grande Guerra Patriótica provou ser um erro que custou caro ao nosso povo.  Nos primeiros meses de hostilidades, perdemos territórios enormes, estrategicamente importantes e milhões de pessoas. Pela segunda vez, não permitiremos tal erro, não temos esse direito.

Aqueles que reivindicam a dominação mundial, publicamente, impunemente e, enfatizo, sem qualquer razão, nos declaram, a Rússia, como seu inimigo.  De fato, hoje eles têm grandes capacidades financeiras, científicas, tecnológicas e militares.  Estamos cientes disso e avaliamos objetivamente as ameaças que constantemente nos são dirigidas na esfera econômica, bem como nossa capacidade de resistir a essa insolente e permanente chantagem.  Repito, nós avaliamos sem ilusões, de forma extremamente realista.

Quanto à esfera militar, a Rússia moderna, mesmo após o colapso da URSS e a perda de parte significativa de seu potencial, é hoje uma das potências nucleares mais poderosas do mundo e, além disso, possui certas vantagens em vários e mais recentes tipos de armas.  Nesse sentido, ninguém deve ter dúvidas de que um ataque direto ao nosso país levará à derrota e a consequências terríveis para qualquer potencial agressor.

Ao mesmo tempo, as tecnologias, incluindo as de defesa, estão mudando rapidamente.  A liderança nesta área está passando e continuará a mudar de mãos, mas o desenvolvimento militar dos territórios adjacentes às nossas fronteiras, se permitirmos, permanecerá por décadas, e talvez para sempre, e criará uma crescente e absoluta ameaça inaceitável para a Rússia.

Mesmo agora, à medida que a OTAN se expande para o leste, a situação do nosso país está ficando cada vez pior e se tornando perigosa a cada ano.  Além disso, nos últimos dias, a liderança da OTAN tem falado abertamente sobre a necessidade de acelerar, acelerar o avanço das infra-estruturas da Aliança para as fronteiras da Rússia.  Em outras palavras, eles estão fortalecendo suas posições.  Não podemos mais continuar apenas a observar o que está acontecendo.  Seria absolutamente irresponsável da nossa parte.

A maior expansão de infra-estrutura da Aliança do Atlântico Norte, e o desenvolvimento militar dos territórios da Ucrânia que começou é inaceitável para nós.  A questão, é clara ,  a organização da OTAN –  é apenas um instrumento de política externa dos EUA.  O problema é que nos territórios adjacentes e em nossos próprios territórios históricos, está sendo criado um sistema “anti-Rússia” hostil a nós, que foi colocado sob pleno controle externo, é intensamente colonizado pelas forças armadas dos países da OTAN e está equipado com as  mais modernas armas.

Para os Estados Unidos e seus aliados, esta é a chamada política de contenção da Rússia, dividendos geopolíticos óbvios.  E para nosso país, esta é, em última análise, uma questão de vida ou morte, uma questão de nosso futuro histórico como povo.  E isso não é exagero – é verdade.  Esta é uma ameaça real não apenas aos nossos interesses, mas também à própria existência do nosso estado e sua soberania.  Esta é a linha vermelha que tem sido falada muitas vezes.  Eles superaram ela.

A este respeito, e sobre a situação em Donbass.  Vemos que as forças que deram um golpe de estado na Ucrânia em 2014, tomaram o poder e o mantêm com a ajuda, de fato, de procedimentos eleitorais decorativos, finalmente abandonaram a solução pacífica do conflito.  Durante oito anos, oito intermináveis anos , fizemos todo o possível para resolver a situação por meios políticos e pacíficos.  Tudo em vão.

Como eu disse em meu discurso anterior, não se pode olhar para o que está acontecendo lá sem compaixão.  Era simplesmente impossível suportar tudo isso.  Era necessário parar imediatamente esse pesadelo – o genocídio contra as milhões de pessoas que ali vivem, que confiam apenas na Rússia e esperam somente em nós.  

Essas aspirações, sentimentos e as dores destas pessoas, foram para nós o principal motivo para tomar a decisão de reconhecer as repúblicas populares de Donbass.

O que eu acho importante enfatizar ainda mais.  Os principais países da OTAN, para alcançar seus próprios objetivos, apoiam nacionalistas extremistas e neonazistas na Ucrânia, que, por sua vez, nunca perdoarão os moradores da Crimeia e Sebastopol por sua livre escolha – a reunificação com a Rússia.

Eles, é claro, irão até a Crimeia, assim como em Donbass, com uma guerra para matar, como punidores das gangues de nacionalistas ucranianos, cúmplices de Hitler, onde mataram pessoas indefesas durante a Grande Guerra Patriótica.  Eles declaram abertamente reivindicar vários outros territórios russos.

Todo o curso dos acontecimentos e a análise das informações recebidas mostram que o confronto da Rússia com essas forças é inevitável.  É apenas uma questão de tempo: eles estão se preparando, estão esperando o momento certo.  Agora eles também afirmam possuir armas nucleares.  Não vamos permitir que isso aconteça.

Como disse anteriormente, após o colapso da URSS, a Rússia aceitou novas realidades geopolíticas.  Respeitamos e continuaremos a tratar todos os países recém-formados no espaço pós-soviético com respeito.  Respeitamos e continuaremos a respeitar sua soberania, e um exemplo disso é a assistência que prestamos ao Cazaquistão, que enfrentou eventos trágicos, com um desafio à sua condição de Estado e integridade.  Mas a Rússia não pode se sentir segura, se desenvolver e existir diante à ameaça constante que emana do território da Ucrânia moderna.

Deixe-me lembrá-lo que em 2000-2005 repelimos os terroristas no Cáucaso, defendemos a integridade de nosso estado, salvamos a Rússia.  Em 2014, apoiamos os moradores da Crimeia e Sebastopol.  Em 2015, as Forças Armadas costumavam colocar uma barreira confiável à penetração de terroristas da Síria na Rússia.  Não tínhamos outra maneira de nos proteger.

A mesma coisa está acontecendo agora.  Simplesmente  eu e você  não tivemos outra oportunidade de proteger a Rússia, nosso povo, exceto aquela que seremos forçados a explorar hoje.  As circunstâncias exigem ações decisivas e imediatas.  As repúblicas populares de Donbass recorreram à Rússia com um pedido de ajuda.

A este respeito, de acordo com os termos do artigo 51 da Parte 7 da Carta da ONU, com a aprovação  do Conselho da Federação da Rússia e em cumprimento dos tratados de amizade e assistência mútua ratificados pela Assembleia Federal em 22 de fevereiro deste ano com República Popular de Donetsk e a República Popular de Luhansk, decidi realizar uma operação militar especial.

Seu objetivo é proteger as pessoas que foram intimidadas e genocidas pelo regime de Kiev por oito anos.  E para isso lutaremos pela desmilitarização e desnazificação da Ucrânia, além de levar à justiça aqueles que cometeram inúmeros crimes sangrentos contra civis, incluindo cidadãos da Federação Russa.

Ao mesmo tempo, nossos planos não incluem a ocupação de territórios ucranianos.  Não vamos impor nada a ninguém pela força.  Ao mesmo tempo, ouvimos que recentemente no Ocidente há cada vez mais palavras de que os documentos assinados pelo regime totalitário soviético, que consolidam os resultados da Segunda Guerra Mundial, não devem mais ser realizados.  Bem, qual é a resposta para isso?

Os resultados da Segunda Guerra Mundial, assim como os sacrifícios feitos pelo nosso povo no altar da vitória sobre o nazismo, são sagrados.  Mas isso não contradiz os altos valores dos direitos humanos e das liberdades, baseados nas realidades que se desenvolveram hoje ao longo de todas as décadas do pós-guerra.  Também não anula o direito das nações à autodeterminação, consagrado no artigo 1º da Carta da ONU.

Deixe-me lembrá-lo que nem durante a criação da URSS, nem após a Segunda Guerra Mundial, as pessoas que vivem em certos territórios que fazem parte da Ucrânia moderna, ninguém nunca perguntou como eles mesmos querem organizar suas vidas.  Nossa política é baseada na liberdade, na liberdade de escolha para que todos determinem independentemente seu próprio futuro e o futuro de seus filhos.  E consideramos importante que esse direito – o direito de escolha – possa ser usado por todos os povos que vivem no território da atual Ucrânia e por todos que assim desejarem.

A este respeito, apelo aos cidadãos da Ucrânia.  Em 2014, a Rússia foi obrigada a proteger os habitantes da Crimeia e Sebastopol daqueles que você mesmo chama de “nazistas”.  Os moradores da Crimeia e de Sebastopol escolheram ficar com sua pátria histórica, com a Rússia, e nós apoiamos isso.  Repito, simplesmente não poderíamos fazer de outra forma.

Os acontecimentos de hoje não estão relacionados com o desejo de violar os interesses da Ucrânia e do povo ucraniano.  Eles estão ligados à proteção da própria Rússia daqueles que fizeram a Ucrânia como refém e estão tentando usá-la contra nosso país e seu povo.

Repito, nossas ações são de autodefesa contra as ameaças que estão sendo criadas para nós e de um desastre ainda maior do que está acontecendo hoje.  Por mais difícil que seja, peço a compreensão e a colaboração para virarmos esta página trágica o mais rápido possível e avançarmos juntos, para não permitir que ninguém interfira em nossos assuntos, em nossas relações, mas para construir por nós mesmos,  de uma forma para que crie as condições necessárias para a superação de todos os problemas e, apesar da presença de fronteiras estatais, nos fortalece por dentro como um todo.  Eu acredito nisso – esse é o nosso futuro.

Também gostaria de me dirigir  aos militares das forças armadas da Ucrânia.

Caros camaradas!  Seus pais, avós, bisavós não lutaram contra os nazistas, defendendo nossa pátria comum, para que os neonazistas de hoje tomassem o poder na Ucrânia.  Você fez um juramento de fidelidade ao povo ucraniano, e não à junta antipopular que saqueia a Ucrânia e zomba dessas mesmas pessoas.

Não siga suas ordens criminais.  Peço que deponham suas armas imediatamente e voltem para casa.  Deixe-me explicar: todos os militares do exército ucraniano que cumprirem esse requisito poderão sair livremente da zona de combate e retornar às suas famílias.

Mais uma vez, enfatizo fortemente: qualquer responsabilidade por um possível derramamento de sangue será inteiramente da consciência do regime que reina no território da Ucrânia.

Agora algumas palavras importantes, muito importantes para aqueles que podem ser tentados a intervir nos eventos em andamento.  Qualquer um que tente  nos atrapalhar, e mais ainda criar ameaças para nosso país, para nosso povo, deve saber que a resposta da Rússia será imediata e o levará a consequências que você nunca experimentou em sua história.  Estamos prontos para qualquer desenvolvimento de eventos.  Todas as decisões necessárias a este respeito foram tomadas.  Espero ser ouvido.

Caros cidadãos russos!

O bem-estar, a própria existência de estados e povos inteiros, seu sucesso e vitalidade sempre se originam no poderoso sistema radicular de sua cultura e valores, experiências e tradições de seus ancestrais e, é claro, dependem diretamente da capacidade de se adaptar rapidamente a uma vida em constante mudança, na coesão da sociedade, na sua vontade para se consolidar, de reunir todas as forças para seguir em frente.

As forças são sempre necessárias – sempre, mas a força pode ser de qualidade diferente.  No centro da política do “império da mentira”, do qual falei no início do meu discurso, está sobretudo a força bruta e direta.  Nesses casos, dizemos: “ Existe poder, a mente não é necessária”.

E você e eu sabemos que a verdadeira força está na justiça e na verdade, que está do nosso lado.  E se assim for, então é difícil discordar do fato de que é a força e a prontidão para lutar que fundamentam a independência e a soberania, elas são as bases necessárias sobre a qual você só pode construir  seu futuro próprio futuro com segurança, construir sua casa, sua família , sua terra natal.

Caros compatriotas!

Estou confiante de que os militares russos e oficiais das Forças Armadas dedicados ao seu país cumprirão seu dever com profissionalismo e coragem   Não tenho dúvidas de que todos os níveis de governo, os especialistas responsáveis ​​pela estabilidade de nossa economia, o sistema financeiro, a esfera social, os chefes de nossas empresas e todas as empresas  russas atuarão de maneira coordenada e eficiente.  Conto com uma posição consolidada e patriótica de todos os partidos parlamentares e forças públicas.

Em última análise, como sempre aconteceu na história, o destino da Rússia está nas mãos confiáveis ​​de nosso povo multinacional.  E isso significa que as decisões tomadas serão implementadas, as metas estabelecidas serão alcançadas e a segurança da nossa Pátria será garantida de forma confiável.

Acredito no vosso apoio, nessa força invencível que nos dá o nosso amor à Pátria.

Vladimir Putin, 24 fevereiro de 2022

Gostou do conteúdo? Compartilhe:

33 comentários em “Discurso na íntegra de Vladimir Putin anunciando a operação especial militar na Ucrânia”

  1. Como não concordar com Putin? A mídia brasileira, sem o mínimo conhecimento e entendimento da história e motivos dos acontecimentos se colocam contra a Russia, porque segundo eles é um país grande contra um país pequeno. Esse pensamento soma a inocência da adolescência com perfeita ignorância.

      1. Cara Aurélia,
        A mídia europeia e estadunidense SOBRETUDO! Pois os lixos merdiáticos daqui aprenderam com os de lá!
        O que pode parar essa lixeirice somos nós ficando fortes e indo para os cocos, pois agora com todo o genocídio que está sendo feito TODOS os envolvidos TÊM que ser EXECUTADOS junto a seus famigliares! E para isso acontecer o povo tem que declarar guerra aos estados, pois quase todos os estados estiveram e estão envolvidos nessa pandemencia!
        País é uma coisa, estado é outra COMPLETAMENTE diferente, e estados podem ser dizimados para o bem do povo e depois os povos em seus países reconstroem os estados do ZERO< pois pelo jeito as leis criadas foram armadilha mortal!
        Siogamos o exemplo pontual de Putin e vamos para a frente dos quarteis exigindo intervenção militar com declaração de guerra contra o estado para garantir TODOS os envolvidos na VALA, começando pela fossa suprema e seus excrementíssimos "trogados"!
        Ninguém deixa vivo ou perdoa as baratas das casas, e esses lixos parlamerdares e trogados são muito mais daninhos que baratas, aliás, são absolutamente perigosos e mortais como já bem mostraram!
        E por favor sem papo de é perdoando que se é perdoado, pois perdoar o inimigo é clamar pela pena capital, vide os lixos exilados, e anistiados que destruiram a nação e sobretudo o povo. Todos os agentes da merdia têm que ser executados, inclusive e sobretudo o lote estuprador(estuprador de criança incluso), que tem até lixo colocando na camisa de crianças de sua grife, "vem ni mim que tô facin" e a Tv ainda faz propaganda, só com matança se limpa o i-mundo.
        Essa guerra é de sobrevivencia, nós exterminamos esses lixos ou nós seremos exterminados!!

      2. Putin não está freando os globalistas, a Rússia faz o que o poder global manda. Leia “O Império Ecológico” de Pascal Bernardin. Esse é um plano da Nova ordem, primeiro um vírus, depois a guerra trazendo a coesão social a fim de impor um Estado totalitário Mundial.

      3. Putin não está freando os globalistas, a Rússia faz o que o poder global manda. Leia “O Império Ecológico” de Pascal Bernardin. Esse é um plano da Nova ordem, primeiro um vírus, depois a guerra trazendo a coesão social a fim de impor um Estado totalitário Mundial.

    1. A Culpa não é dos estadunidenses, sugiro que pesquise sobre quem governa os EUA, aliás, lá e em quase toda europa, quem controla e são donos das merdias, e por aí vai…
      Minha sugestão, procure saber quem comprou a ilha de Manhattan, e que sairam de pernanbuco!
      Vai perceber que TODOS os envolvidos são dessa turma!
      Descubra qual a “etnia” do ceo da pfizer, e já terá o panorama!

  2. Concordo com Putin. E, se essa imprensa velhaca que aí está é contra ele, mais um motivo para eu ser a favor.Não queremos guerras, mas não queremos subjulgação, muito menos por globalistas.

    1. Putin não está freando os globalistas, a Rússia faz o que o poder global manda. Leia “O Império Ecológico” de Pascal Bernardin. Esse é um plano da Nova ordem, primeiro um vírus, depois a guerra trazendo a coesão social a fim de impor um Estado totalitário Mundial.

    1. Esta é uma transcrição do discurso, tu podes acreditar ou não. O que é um fato é que ele delineou verdades que muitos gostam de esquecer. Se você quer concordar com as verdades ou não, sua escolha. Particularmente, não tenho um cavalo nessa corrida, mas consigo reconhecer que a OTAN realmente estava se passando há mais de duas décadas. Também consigo reconhecer que a Ucrânia é um país novo, historicamente dentro do território da Rússia, que foi delimitado por forças externas, e que sofreu um golpe de estado. Tudo isso é simples realidade.

      1. Tudo não passa de mera movimentação sociológica desde Nabucodonosor. As nações, povos não se contentam com a paz , não sabem viver sem guerras e gastam muito com armas e procuram sempre aniquilar o outro.

  3. De fato faz muito sentido o relato do Presidente Putin .
    Espero que os Ucranianos e Russos se entendam para um bem comum deles . E não se influenciem com a malícia e intrigas de fora.

  4. Certou ou não. a história dirá. Acontece amiga, para que a coisa fique certa, em certas ocasiões, só na base da força.
    Putin antes de ir a guerra contra os interesses econômicos do democrata Joe Biden, Transmite ao mundo uma oportuna AULA DE HISTORIA . NÃO SE PODE ENTENDER O PRESENTE, SE NAO CONHECE O PASSADO.

  5. A defesa da própria casa pode e deve ser feita sempre com tenacidade , inteligência e dialogo, mas nunca de forma fraca e inocente. Difícil é concordar, pois sempre nos foi dito que os russos sempre foram ruins e maus. Porem esse novo ponto de vista mostra que a verdade e liberdade nos coloca mais próximos do que jamais poderíamos imaginar. É lamentável que vidas inocentes, sejam tiradas e destruídas para que a liberdade de um povo seja restituída e preservada. É de fato lamentável. Mas rezaremos para que os Ucranianos tenham sua misericórdia e retomem a consciência de que os “globalistas” não oferecem o que prometem e sim apenas a destruição de culturas.

  6. Putin está correto nas suas ações. Depois dos acordos ARTEMIS em Gamimedes onde a CONFEDERAÇÃO GALACTICA reuniu todas as Federações Galacticas de Mundos e participaram vários presidentes de nações tais como Putin,Trump e Bolsonaro, Elon Musk e muitos outro,foi decidido que com a ajuda das Esferas Maiores o Planeta Terra será libertado das ilusões e escravidão .

    1. Cara Rosangela, é ganimedes a lua de Jupiter.
      Será justo os outros limparem nossas bundas em vez de nós mesmos irmos para o front e exterminarmos TODOS os envolvidos nessa plandemencia?
      Seja lá quem são esse que cita, mas me parecem bem nocivos, pois pelo o que enten do o profícuo ensina a pescar e não dá o peixe.
      Se uma criança é superprotegida na vida adulta vira lixo covarde, safado, hedonista, egocêntrico etc…
      Se alguma “esfera” resolver entrar em luta por povos fracos covardes e preguiçosos, certamente são INIMIGOS e não AMIGOS! a GUERRA É NOSSA E CABE A NÓS LIMPARMOS TODA ESSA CAGA…A QUE NÓS PERMITIMOS!
      Não existe almoço de graça!

  7. Creio que o mundo está mudando com a divisão de forças entre as 3 grandes potências que seja EUA,Rússia e China e isso incomoda,na minha opinião isso veio para reorganizar o cenário mundial e melhorar a relação entre o mundo,porém devemos compreender que o movimento que Vladimir Putin está iniciando deve ser compreendido como proteção e não provocação, que é o que os Estados Unidos da América está e sempre fez,sejamos honestos em primeiro pesquisar antes de acusar,temos a Internet para nos ajudar,deixemos a verdade iluminar nossos pensamentos e tenho certeza que entenderemos o que Putin está com coragem a fazer.

  8. Li todo o texto e a apreensão e angústia com o sofrido povo ucraniano persiste. Os Eua (Biden), Onu, Ue e Otan pularam fora. Muita coisa (interesses econômicos, geo-políticos, segurança, tratados) envolvidos em tudo isso. Sinto pelo povo ucraniano refém de tudo isso. Quem tem dinheiro já pulou fora faz tempo. Nem todos podem morar na Suíça, Dinamarca, etc. O meu receio é que com a entrada de outros atores como Polônia, Estônia, etc o rastilho de pólvora se propague. E com a China por perto apoiando a Russia aumente o risco. Puro jogo de interesses! A Suécia e a Finlândia já foram advertidos a não entrar na Otan. A Ucrânia entregou os mísseis e agora ficou na mão. Teve tratados mas os interesses econômicos são muito grandes. Que tudo termine bem.

  9. Ironicamente, um alemão disse no passado: de um rio que tudo arrasta, chamam-no de violento. Porém das margens que o oprimem, nada dizem.
    O que estamos vendo é a Rússia tentando repelir a expansão da OTAN e dos Estados Unidos , que, através da Ucrânia estão prestes a dançar pagode no quintal da Rússia.

    Quem estuda sério, e não é engraçadinho, sabe que a Rússia não tem histórico de expansão territorial invadindo e bombardeando países. Já seus algozes citados acima ,invadiram meia centena de países após a criação da OTAN.

    Estão na “manha do gato “,preparando o bote novamente pra Rússia quando irresponsávelmente assediam a Ucrânia a aceitarem colocar seus mísseis na fronteira russa.
    Só que desta vez a Rússia tem o Putin, que aos 23 anos de idade, a invés de esquentar o umbigo e mesa de sinuca e babar em mesa de lanchonete, já estudava direito na Universidade russa e era membro da KGB.

    O Putim não tem miolo de galinha, só no canto da cabeça, e não permitirá novas invasões como a de Napoleão a 200 anos atrás pela Ucrânia, e como de Hitler 80 anos atrás também pela Ucrânia.

Deixe um comentário para Maria Esther Arce Loayza Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *